A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Català_ Deutsch_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ All_other_languages _The.Supplement
{Info on A-Infos}

(pt) Campanha internacional contra o feminicídio

From <mr.ana@terra.com.br>
Date Thu, 7 Nov 2002 08:25:32 -0500 (EST)


e tortura sexual no México
Sender: worker-a-infos-pt@ainfos.ca
Precedence: list
Reply-To: a-infos-pt

   ______________________________________________________
      A - I N F O S  S e r v i ç o  de  N o t í c i a s
                  http://www.ainfos.ca/
              http://ainfos.ca/index24.html
     ________________________________________________



Campanha internacional contra o feminicídio 
e tortura sexual no México

A violência contra a mulher faz parte do cotidiano de várias cidades 
brasileiras e do mundo. No Brasil, uma em cada cinco brasileiras já 
sofreu algum tipo de violência. Estima-se que a cada minuto quatro 
mulheres são espancadas. Mas o que vem ocorrendo no México, mais 
precisamente na fronteira do México com EUA, em Ciudad Juárez onde as 
mulheres estão sendo assassinadas da maneira mais perversa e brutal, 
é vergonhoso e revoltante.

Segundo um documento elaborado pela mexicana Ana Maria Gonzáles, 
neste momento no Estado de Chihuahua, especificamente na Ciudad 
Juárez, desde 1993 até o presente ano, foram cometidos perto de 300 
homicídios de mulheres (feminicídio), e centenas mais de 
desaparecidas através das formas mais brutais, selvagens e cruéis que 
existam, diante de tão grave situação a resposta do governo local e 
federal tem sido nulas, já que não lhes interessa levantar "os 
porquês" dessa história, pois são mulheres e ademais, por que são 
operárias, na sua maioria de famílias pobres e indígenas. 

Desde 1993 ignora-se quem e por que estão cometendo estes crimes. Os 
motivos podem ser: cinema snuff, sexo necrofílico, tráfico de órgãos, 
comércio sexual, narcotráfico, corrupção policial, negócios 
dos “balcas” e de empregados do governo. 

Estas séries de execuções não se limitam ao assassinato, mas que se 
distinguem por seu grau de sadismo e tortura que se aplicam ao corpo 
das mulheres vivas, que são penetradas por todo seu corpo, lhes são 
arrancados seus seios, suas entranhas são abertas, lhes removem as 
vísceras, são desmembradas e cortadas em pedaços, lhes destroem o 
crânio, são queimadas, introduzidas madeiras e substâncias tóxicas em 
suas vaginas e nos ânus, suas colunas são quebradas e passam-lhes 
automóveis por cima, este horror não respeita nem mesmo as crianças. 

De acordo com Ana Maria Gonzáles, estes crimes não são produto 
unicamente de indivíduos psicopatas, de rituais satânicos ou do 
narcotráfico; são, sobretudo, conseqüência do crescente desemprego, 
conseqüentemente da migração forçada, dos salários baixos e da 
miséria, da maquilização da economia mexicano e de seu categórico 
fracasso, e naturalmente da cultura patriarcal. Em síntese, de um 
sistema corrupto e num profundo estado de putrefação. 

Alguns mexican@s pensam que  Ciudad Juárez poderia ser uma zona de 
experimentação de testes psico-sociológicos feitos por laboratórios 
científicos-militares multinacionais, como acontece na Ásia, África e 
em países de América Latina, onde muitos casos 
como “miséria”, “epidemias”, “terror psicológico”, “alcoolização e 
drogas”, “conflitos interétnicos ou religiosos”, e “experimentos 
biológicos”, são criados especificamente para controlar e eliminar 
populações inteiras. 

O exemplo de Ciudad Juárez é um assunto que deveria ser de 
competência federal, por que está diretamente relacionado com o crime 
organizado. Ciudad Juárez é a ponta do iceberg da violência contra as 
mulheres que vai aumentando conforme a humanidade se afunda no modelo 
econômico neoliberal.

Neste sábado, dia 9 de novembro, libertários e libertárias daquele 
país, estarão indo para as ruas, alçando sua voz contra a 
indiferença, e denunciando mais essa história de horror contra as 
mulheres.

Já no dia 25 de novembro, “Dia Internacional Contra a Violência às 
Mulheres”, será um dia  dedicado principalmente em denunciar o horror 
que as mulheres e seus familiares estão vivendo em Ciudad Juarez.

Endereços úteis para as pessoas indignadas e rebeldes:

EMBAIXADA DO MÉXICO (SEÇÃO CONSULAR)
S.E.S. - Av. das Nações - Qd 805 - Lote 18
70412900 - Brasília, D. F.
e-mail: consulmexbsb@uol.com.br


CONSULADO GERAL DO MÉXICO NO RIO DE JANEIRO
Praia de Botafogo 242 – 30, Botafogo
22250-040 Rio de Janeiro, RJ
e-mail: comexrio@domain.com.br

CONSULADO GERAL DO MÉXICO EM SÃO PAULO
Rua Holanda 274, Jardim Europa
014446-030 São Paulo, SP
e-mail: consulmex-sp@gobmex-sp.com.br



----------------------------------------------------------------------
----------


Agência de Notícias Anarquistas-ANA

Canto e contracanto:

o pica-pau reclamando

do som do machado.

Aníbal Beça



*******
                                ********
            ****** Serviço de Notícias A-Infos *****
         Notícias sobre e de interesse para anarquistas

                                ******
                 ASSINATURAS: lists@ainfos.ca
                 RESPONDER: a-infos-d@ainfos.ca
                 AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
                 WWW: http://www.ainfos.ca/org
                 INFO: http://www.ainfos.ca/org

Para receber a-infos numa língua apenas envie para lists@ainfos.ca
 a mensagem seguinte:
                    unsubscribe a-infos
                    subscribe a-infos-X
onde X=  pt, en, ca, de, fr, etc. (i.e. o código de idioma)


A-Infos Information Center